CIA DA NOTÍCIA

Atletas de Canavieiras se destacam; equipe de Salvador leva mais medalhas

Torneio de Kettlebell sport movimentou Canavieiras no último sábado (25) e revelou talentos locais

Atletas reunidos na abertura da competição

Atletas reunidos na abertura da competição

A equipe da L3 Fun Training, de Salvador, faturou o maior número de medalhas do 1º Torneio Brutal de Kettlebell Sport de Canavieiras, realizado neste sábado (25), no sítio histórico da cidade, seguido dos atletas canavieirenses. Ao todo, 20 atletas participaram do torneio, número considerado expressivo para a primeira competição de Kettlebell Sport do interior da Bahia. O torneio teve início com a bateria entre os dois treinadores de destaque na Bahia nesse esporte, João Rosário (Brutal Strength and Conditioning) e Fábio Leal (L3 Training).

Segundo o organizador do evento, João Rosário, o torneio promovido em Canavieiras é o quarto realizado na Bahia (outros três aconteceram em Salvador, sendo um em 2015 e outros dois em 2016). De acordo com ele, a Bahia hoje se destaca na prática do esporte, com atletas de boa colocação no ranking nacional e ressalta que em setembro a capital baiana sediará uma etapa do GP mundial de kettlebell da WAKSC.

Disputa entre Salvador (Lara) e Canavieiras (Joyce) nessa bateria

Disputa entre Salvador (Lara) e Canavieiras (Joyce) nessa bateria

Esse,que foi o 1º Torneio de Kettebell do interior da Bahia, contou com a participação de 10 atletas de Salvador (8 da equipe L3 e dois do Priscila Beck Kettlebell Clube), 9 de Canavieiras (Leandro Alves Kettlebell Clube e Brutal) e uma de ouro para o Studio Bruno Ottoni, de Ilhéus). Um dado interessante foi a predominância das mulheres na competição: 16 mulheres e 4 homens.

Na classificação geral por equipes, os atletas da L3 faturaram 14 medalhas (10 ouros, 3 pratas, 1 bronze); a Brutal com 4 de ouro e uma de bronze, Priscila Beck Kettlebell Club, com 3 medalhas de ouro e uma de bronze e Leandro Alves Kettlebell Club levou 3 de ouro e duas de prata. Para João Rosário o destaque da competição ficou por conta dos atletas de Canavieiras, que iniciaram a prática do esporte há apenas seis meses e já obtiveram boas marcas.

Fátima, a atleta mais velha a competir, levantando 2 kettlebells de 8kg

Fátima, a atleta mais velha a competir, levantando 2 kettlebells de 8kg

Destaques – A atleta Fátima Regina, da equipe L3 Training, mereceu a atenção do público. Ela tem 56 anos e competiu em duas provas de 10 minutos e bateu dois recordes brasileiros da categoria, fazendo 101 repetições na prova Long Cycle, com dois kettlebells de 8 kg. Na prova Snatch com um kettlebell de 8 kg, atingiu 232 repetições, marcas expressivas para a sua categoria.

Patrícia Barros, da equipe L3 Training bateu o recorde brasileiro no snatch com kettlebell de 12 kg, com 238 repetições. Rodrigo Lang, de Ilhéus, conquistou 1 medalha na prova Snatch 16 kg em 5 minutos. Essa foi a categoria e pódio mais disputado entre as cidades baianas, com Ilhéus ficando na primeira colocação, Salvador na segunda com o atleta Zeicon Costa, e o guarda civil municipal Tárcio Oliveira, de Canavieiras, na terceira.

Pódio disputado com Ilheus (1º) Salvador (2º) Canavieiras (3º)

Pódio disputado com Ilheus (1º) Salvador (2º) Canavieiras (3º)

Canavieiras – A bateria que mais empolgou o público foi a disputa entre a atleta canavieirense Joyce Araújo, conhecida pelas medalhas conquistadas nas artes marciais, que travou um duelo na prova snatch 8kg em 10 min com a atleta de Salvador Lara Guimarães. Na disputa por medalha na mesma prova, Poliana de Jesus, de Canavieiras, bateu a marca de 250 repetições, melhor marca do Brasil para o peso corporal, 58 kg, conquistando a 2º colocação. A 1º colocação ficou com Joyce Araújo, que fez 231 repetições, mas ganhou a prova por ser mais leve, 52 kg. O 3º lugar foi para Lara Guimarães.

Poliana e Joyce, assim como todos os atletas de Canavieiras que participaram da competição, treinam há apenas 6 meses e já são revelação no esporte. Poliana é treinada pelo professor canavieirense Leandro de Melo Alves; Joyce e Tárcio de Oliveira são treinados por João Rosário, da Brutal Strenght and Conditioning, na academia Guerreiros da Laje, comandada por Joyce.

Joyce Araújo maior medalhista de Canavieiras com 2 medalhas de ouro--400x400

Joyce Araújo maior medalhista de Canavieiras com 2 medalhas de ouro

No total, Joyce conquistou 2 medalhas de ouro, 1 no snatch 8kg em 10 min e 1 no long cycle 12 kg em 5 min. Ela foi a maior medalhista de Canavieiras por disputar e ganhar as 2 provas; os outros atletas da cidade disputaram apenas 1 prova. Na prova Jerk 5 min com kettlebell de 8kg, na qual a competidora levanta o kettlebell da altura do ombro até o alto da cabeça trocando de mão apenas uma vez, outro destaque foi a atleta canavieirense Maria Thereza Suzart, treinada Leandro Melo, fez a média de 19,2 repetições por minuto, com 94 repetições na prova.

O prefeito de Canavieiras, Dr. Almeida, que esteve presente no torneio, ressaltou que a Prefeitura apoia todos os esportes, pois como médico entende que é um aliado à saúde. Ele elogiou a qualidade dos competidores, especialmente os de Canavieiras, que conheceram o esporte há cerca de seis meses e disse que novos eventos deste tipo voltarão a ser realizados na cidade.

João Rosário ressalta que o 1º Torneio de Kettlebell Sport de Canavieiras é o pioneiro ao ar livre e contou com o patrocínio da Hidraluz, Mercado Compre Bem, Posto Canes, CDL de Canavieiras, Casa do Estudante, Fornão Pizzaria, Malu Móveis e Ótica São Raphael e apoio da Prefeitura de Canavieiras, Costa Sul FM 99.3, Jornal Tabu, Açaizeiro, Jornal Agora e Lino Soluções em Telecomunicação, que transmitiu partes do torneio ao vivo pela Internet, através do Facebook.

Competidores estão prontos para as provas de sábado, 25

A partir das 15 horas de sábado (25), atletas com diferentes rankings participam de torneio de kettlebell em Canavieiras

Parte dos atletas da Equipe da L3 Fun Training

Parte dos atletas da Equipe da L3 Fun Training

Os primeiros competidores inscritos no 1º Torneio de Kettlebell Sport do Sul da Bahia começam a chegar em Canavieiras a partir da tarde desta quinta-feira (23). Dentre eles estão Fátima Silva e sua filha Lara, que integram a equipe de atletas da L3 Fun Training, liderada pelo treinador Fábio Leal.

Serão duas equipes de Salvador disputando o 1º Torneio Brutal de Kettlebell Sport, que reúnem os atletas mais experientes nesse esporte no estado e virão a Canavieiras determinados a baterem suas marcas e trocar experiências com os atletas da cidade.

Maior equipe – O treinador Fábio Leal está à frente da maior equipe de kettlebell da Bahia, a L3 Fun Training, com 20 atletas, e será a 2ª equipe em número de inscritos no Torneio Brutal de Kettlebell Sport, perdendo apenas para atletas da cidade anfitriã, Canavieiras.

No final de 2016 ele levou uma equipe de 3 atletas para disputar o 1º GP Brasil do campeonato mundial de Kettlebell Sport da WAKSC @wkgpsbrasil realizado em Curitiba, trazendo 4 medalhas de ouro para a Bahia. Além do treinamento de atletas, ele organizou em setembro último o campeonato L3 de kettlebell Lifting em Salvador, que contou com o número recorde de atletas inscritos em uma competição no estado até então, 42.

Dentre os atletas dessa equipe soteropolitana, destaque para os recordes alcançados por Fábio Leal, Fátima Silva e Lara Guimarães, que o maior número de campeonatos disputados e participaram da etapa Brasil do campeonato mundial de kettlebell.

Fábio, atleta e treinador da L3 training, já disputou 3 campeonatos e seu melhor recorde pessoal foi registrada no GP Brasil do mundial de kettlebell da WAKSC, com 119 petições na prova snatch 10 min com kettlebell de 24 kg. Lara Guimarães disputou 4 campeonatos e sua melhor marca foi atingida no Campeonato L3 de Kettlebell Lifting com 107 repetições com kettlebell de 8 kg, em cinco minutos.

Lara treina para competir com sua mãe Fátima

Lara treina para competir com sua mãe Fátima

Fátima Silva, 54 anos, exemplo de superação da equipe da L3training, que começou a treinar focando no emagrecimento e não só atingiu esse objetivo como se tornou atleta, já disputou 4 campeonatos, e registrou sua melhor melhor marca no GP Brasil do mundial na prova Snatch 12 kg, com a marca de 57 repetições em 5 minutos. Ela é atualmente a atleta mais velha que compete no kettlebell sport no Brasil e foi uma inspiração para sua filha Lara Guimarães começar a praticar o esporte. Além desses, a L3 Fun training trará uma equipe grande de atletas que já disputaram pelo menos dois campeonatos.

Atleta pioneira – Outra equipe de Salvador é liderada pela treinadora Priscila Beck, do Studio Priscila Beck Kettlebell Club, atleta pioneira na Bahia a disputar campeonatos de Kettlebell Sport, atingindo seu melhor recorde em 2015, em sua estreia no Campeonato Brasileiro de Kettlebell, com 200 repetições no snatch 12kg (10 min), melhor marca da América Latina à época. No último campeonato, o GP Mundial, Priscila se desafiou a disputar a prova snatch com kettlebell de 20kg, atingindo a marca de 67 repetições em 5 minutos.

Atletas Vanessa e Priscila Beck

Atletas Vanessa e Priscila Beck

Priscila Beck teve o pioneirismo de, junto com João Rosário, seu treinador e diretor da Brutal Strength and Conditioning, organizar o primeiro campeonato de kettlebell sport na Bahia em agosto de 2015. No torneio de Canavieiras ela disputará duas provas e trará, ainda, Vanessa Correia, uma de suas atletas de destaque, para a competição. Juntas, elas têm em seus currículos a participação em seis e quatro campeonatos, respectivamente.

Vanessa já disputou 4 campeonatos (3 em Salvador e o GP Mundial). Sua especialidade é a prova snatch e seu último resultado foi 156 repetições na prova snatch 12 kg em 10 minutos.

Torneio – O 1º Torneio de Kettlebell Sport será realizado no sítio histórico (em frente a Galeria do Porto) um dos mais belos cartões postais de Canavieiras, e é aberto ao público. Organizado por João Rosário, da Brutal – Strength and conditioning, especialista em Kettlebell e uma das maiores referências no Brasil nesse esporte, que também irá competir.

As provas em disputa serão long cycle, snatch e jerk de 5 e 10 min e a competição será iniciada pontualmente às 15 horas. Além das equipes de Salvador, Ilhéus e Itabuna, Canavieiras se destaca por participar com a maior quantidade de atletas (10), que estarão estreando em competição, número considerado expressivo para um esporte que começou a ser praticado nos últimos seis meses na cidade.

O 1º Torneio de Kettlebell Sport do interior da Bahia será o primeiro realizado ao ar livre e conta com o patrocínio da Hidraluz, Mercado Compre Bem, Posto Canes, CDL de Canavieiras, Casa do Estudante, Fornão Pizzaria, Malu Móveis e Ótica São Raphael. Conta, ainda, com o apoio da Prefeitura de Canavieiras, Costa Sul FM 99.3, Jornal Tabu, Açaizeiro e Jornal Agora. Mais informações no whatsapp (73) 99827-9091, com João Rosário.

Confira nos links http://bit.ly/2jxR3Rf e https://www.facebook.com/brutalSC/

UFSB lança Edital para exame de Proficiência em Língua Inglesa em Ciências

A UFSB acaba de lançar o Edital para Exame de Proficiência em Língua Inglesa em Ciências (2017.1) pela Rede de Centro de Idiomas da UFSB. O Exame é um dos pré-requisitos para a inscrição no Mestrado em Ciências e Tecnologias Ambientais – PPGCTA, parceria entre a UFSB e o IFBA.

As inscrições ocorrerão entre os dias 18 e 24 de março, através de preenchimento de formulário eletrônico na página moodle da Rede de Centros de Idiomas, disponível em http://moodle.ufsb.edu.br/moodle/course/index.php? categoryid=25.

Apesar de ser um pré-requisito para o ingresso no PPGCTA, o Exame pode ser feito por qualquer pessoa interessada em obter o certificado. Caso o interesse seja para o Programa de Pós-Graduação, estará dispensado do Exame o requerente que apresentar:

  • Comprovante ou Declaração ou Diploma de Proficiência em Língua Inglesa. Serão aceitos: TOEFL ITP (mínimo 460); TOEFL iBT (mínimo 42), TOEIC (mínimo 169); TOEIC Listening & Reading (mínimo 550); IELTS (mínimo Band 5);
  • Documento oficial de comprovação de proficiência em língua inglesa (leitura e compreensão de texto) para o nível de pós-graduação, emitido por outras IES nacional ou Programa de Pós-Graduação reconhecido pela CAPES, desde que obtido até 05 (cinco) anos antes da data de publicação do presente Edital.

Qualquer outro comprovante poderá ser submetido para análise prévia de sua admissibilidade pela Coordenação da Rede de Centros de Idiomas .

A prova de Proficiência em Língua Inglesa em Ciências constará de leitura e compreensão de texto teórico em língua inglesa na área de Ciências e ocorrerá o dia 29/03, das 09 às 12h nos seguintes locais:
– Campus Sosígenes Costa em Porto Seguro
– Campus Paulo Freire em Teixeira de Freitas
– Campus Jorge Amado em Itabuna

Os resultados obtidos estarão disponíveis no dia 04/04/2017 na mesma página de inscrição e o resultado final, no dia 07/04/2017.

Árbitro canavieirense participa da atualização anual de futsal

Boaventura Freire

Boaventura Freire

O árbitro canavieirense Boaventura Freire, representante do Clube Desportivo Canes (CDC), participou no período de 11 e 12, da Atualização Anual dos Oficiais de Arbitragem de Futsal/2017. O evento que foi realizado no Sindicato do Bancários da Bahia, em Salvador, e contou com a presença de 102 Oficiais de Arbitragem de vários municípios baianos.

Promovido pelo Departamento de Oficiais de Arbitragem (DOA), em parceria com a Federação Baiana de Futebol de Salão (FBFS), a atualização contou a participação do presidente da entidade, Rosalvo Teixeira e dos instrutores Gilson George e Cristiano Cardoso. Os árbitros passaram por atualização das regras do jogo e colocarem em prática as novas orientações vindas da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS).

Os árbitros participaram, ainda, de uma palestra com o Augusto Sérgio Vasconcelos Oliveira, tendo como tema: Perspectivas Esportivas no Brasil. “Tivemos uma grande troca de conhecimento com a participação de instrutores e palestrantes de elevado gabarito, uma estrutura de boa qualidade proporcionada pela FBFS e um grande envolvimento e participação dos árbitros da Bahia. Espero poder transmitir para minha comunidade as novas técnicas adquiridas”, relata o professor de Educação Física Boaventura Freire.

Ao final do evento, os árbitros receberam certificado de participação, com isso os participantes estão aptos a atuar nas competições promovidas pela FBFS. Para que o árbitro canavieirense participassem deste evento estadual, teve o apoio da Hidraluz, Prefeitura de Canavieiras, deputado Fábio Souto, Ótica São Raphael, EXA! Eventos Esportivos, Clube Desportivo Canes (CDC), e Centro Esportivo Julia Thonson.

Campeã em Salvador

Vôlei de Canavieiras em SalvadorA atleta Anna Thereza Castro, do Clube Desportivo Canes ( CDC), participou no dia 11 de março, no Ginásio de Esportes da Escola Parque, em Salvador, da 1ª Fase do Campeonato Baiano – Copa Salvador de Vôlei Feminino-Sub 20. Representando a equipe do Colégio Modulo, sagrou-se campeã e ainda recebeu o prêmio de melhor jogadora. “Participar dessas competições é uma grande experiência e aprendizado para melhorar a qualidade do meu vôlei”, relata Anna Thereza.

A 1ª Fase do Campeonato Baiano – Copa Salvador de Vôlei Feminino-Sub 20 foi uma realização da Federação Baiana de Vôlei (FBV) e teve a participação das equipes femininas do Colégio Integral, AAB, Perfil / Chastnet e Colégio Militar. “Cada vez mais fico feliz em ver atletas canavieirenses participando de competições estaduais, o que é uma grande oportunidade para desenvolverem suas habilidades”, comenta Boinha Freire.

Inovação no cacau da Mata Atlântica

Eduardo Athayde-400x400Eduardo Athayde*

Quando o WWI-Worldwatch Institute, na virada do milênio, publicou internacionalmente estudo sobre a mata atlântica da região cacaueira da Bahia, batizando-a de “Floresta de Chocolate”, única no mundo, onde a matéria prima do chocolate é produzida com recordes de biodiversidade no planeta, registrado pelo Jardim Botânico de Nova Iorque, a prefeitura nova-iorquina iniciava o levantamento de cada uma das suas 683.113 arvores.

Hoje, os cidadãos de Nova Iorque conhecem o valor econômico individual das suas árvores, sabem que cada uma reduz a temperatura sob sua copa em cinco graus centigrados, joga no ar 150 mil litros de água por ano e produzem serviços anuais avaliados em US$111 bilhões [tree-map.nycgovparks.org]; um padrão que está sendo seguido por várias cidades do mundo que plantam florestas urbanas visando a melhoria do ar, do clima local e da qualidade de vida dos seus cidadãos.

Com a força das redes sociais o mundo parece ter ficado pequeno e a biodiversa Mata Atlântica, antes pouco percebida (ainda não valorada), vem recebendo influencia direta dessas inovações. O Centro de Inovação do Cacau (CIC), por exemplo, que será inaugurado esta semana na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, é a parte concreta do projeto do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia, idealizado conjuntamente pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Ceplac, Uesc, Secti, Instituto Arapiaú e outras instituições.

Focando a cadeia produtiva do cacau e a economia florestal, o CIC, formado por acadêmicos e empresários, analisará propriedades físico-químicas do cacau e do chocolate, a qualidade de sementes e mudas das biofábricas de essências da mata atlântica, fomentando a indústria do reflorestamento que, cobiçada por investidores, floresce impulsionada pelo robusto mercado financeiro internacional interessado em ativos florestais.

Na era da “eco-nomia”, oficializada pelo Acordo de Paris e já legalmente adotada pelo Brasil, a preservação, além de uma imperiosa necessidade, passou a ser analisada também por parâmetros econométricos da precificação e monetização (restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030 – bit.ly/2cHvxT8). Observando o senso de oportunidade o CIC nasce como elo local desta inovadora rede global, posicionando-se, com linguagem nova, como uma especie de “porta USB” de alta velocidade aberta a conexões de pesquisa, geração de conhecimento e econegócios.

Integrado a iniciativas como a Plataforma Brasileira sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (bpbes.net.br), que tem a missão de produzir conhecimento cientifico e saberes tradicionais sobre biodiversidade e serviços ecossistêmicos – onde o cacau se inclui – o CIC nasce como parceiro natural do Programa FAPESP de Pesquisa em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável da Biodiversidade (BIOTA-FAPESP), apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e alinhado com a

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que lançou a Campanha da Fraternidade 2017 com o tema “Biomas Brasileiros e a Defesa da Vida”.

A imaginação é mais importante que o conhecimento, afirmava Albert Einstein. Nesta linha, a Fazenda Futuro, localizada em Buerarema, base das pesquisas do WWI no final do século passado – e agora cliente do CIC – está sendo usada por pesquisadores parceiros do WWI, da floresta urbana de Nova Iorque e do Smithsonian Institute como referência para um projeto piloto de fazenda do futuro, conectado com universidades e centros de pesquisas do mundo.

Com a quebra de fronteiras e os espaços abertos pelas redes sociais, a região cacaueira, imaginada como Floresta de Chocolate, vive um momento de mudanças intensas observadas na metáfora da crisalida, quando a lagarta não mais existe, e a borboleta ainda não nasceu.

*Diretor do WWI-Worldwatch Institute. eduathayde@gmail.com

De novo, a implicância com o sino!

Walmir Rosário*

Deve ser o sinal dos tempos, como costumam dizer os antigos. Não sei se é apenas uma simples implicância ou a chamada intolerância (até religiosa) muito comum nos tempos de hoje. O certo, que, pela segunda vez em cerca de quatro anos a sonoridade dos sinos das igrejas católicas de Itabuna volta a ser questionada.

O alvo anterior foi a Catedral de São José, agora, a reclamação é contra a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no bairro do mesmo nome. Na catedral, contra o sino tradicional, fundido em bronze, que dá uma sonoridade ímpar a cada badalada. Na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, o sino é uma versão moderna, concebida na mais alta tecnologia digital, integrada por duas “bocas” de alto-falante colocados na torre do templo.

São José e Nossa Senhora sempre foram perseguidos: naquele tempo por serem os pais de Jesus Cristo, nomeado o Rei dos Judeus, levando o temor aos romanos invasores e aos judeus palacianos. Terminou sendo julgado e condenado a morrer crucificado. Se esperavam os dirigentes de então que calariam sua voz, enganaram-se, ela tinha sido semeada aos quatro ventos.

Se me recordo bem, as reclamações contra o badalar dos sinos, o tradicional na Catedral e sua versão informatizada, na Igreja da Conceição, não partiu da comunidade. Tanto lá como cá, foram apenas duas pessoas as incomodadas com repicar dos sinos. Os protestos vieram apenas e tão somente de duas vozes, uma de cada vez, sem representatividade ou ressonância.

O silêncio dos sinos da Catedral foi denunciado aqui mesmo no www.ciadanoticia.com.br e causou muita celeuma, inclusive com esse simples blogueiro sendo vítima de sermões negativos nas Santas Missas. Mas nada que atrapalhasse a comunicação entre esse pecador confesso e Deus, além dos santos e anjos protetores. E os sinos da Catedral de São José voltaram, garbosamente a dobrar.

Já o reclamo que tenta calar a sonoridade da versão moderna dos sinos da Igreja de Nossa Senhora da Conceição tomei conhecimento num programa jornalístico de um canal de TV. Ouvida, a maioria da comunidade se manifestou favorável à tradição secular, incorporada ao cotidiano daquele bairro. Como diz o ditado: uma só andorinha não faz verão.

De minha parte, que tenho na Igreja de Nossa Senhora da Conceição uma forte referência religiosa, não consigo conceber o motivo desta contestação. É o sino quem através dos anos serve para alertar aos fiéis o horário da Santa Missa e outras cerimônias religiosas e, inclusive o horário. Em Minas Gerais, os sinos se firmaram na tradição e os sineiros e tocadores se especializaram em fabricar e fazê-los dobrar em cânticos e harmonias diversas, apropriadas para cada evento.

Mesmo longe, posso dar o testemunho de quem, ainda adolescente, ajudou a construir aquele templo, erguido com a liderança de missionários do naipe dos frades capuchinhos Justo, Apolônio e Isaías. Somente a título de lembrança, os sinos – os de bronze – foram adquiridos com campanhas realizadas e que contou com o apoio de toda a comunidade.

Ainda quando residia em Itabuna, assistia, às terças-feiras, ao lado do colega José Augusto Ferreira Filho, a Missa em louvor a Santo Antônio na Igreja de Nossa Senhora da Conceição. E nossas referências eram o tocar dos sinos, pois como chegávamos mais cedo, ficávamos no bate-papo com os amigos, até que o Frei Calazans nos convocava para a missa.

Aos mais novos e desavisados, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição é a maior referência religiosa, urbanística, histórica, sociológica e antropológica do bairro. Foi a sua construção e implantação, responsável pelo convívio social, a educação e a elevação da autoestima daquela comunidade conhecida pelo nome pejorativo de Abissínia e que passou a ser conhecida por bairro da Conceição.

Apesar de àquela época os tempos serem outros, quando prevalecia a força bruta, a convivência em relação à diferença de credos eram por demais respeitadas. Os católicos não reclamavam dos louvores da Igreja Batista Teosópolis e da Igreja Adventista, muito menos ao contrário. A convivência era perfeita entre os pastores Apolônio e Isaías e os três frades capuchinhos.

Não sei qual a opinião da autora do protesto contra os sinos em relação aos carros de som que fazem publicidade e dos chamados paredões, nocivos contra a saúde do corpo, ao contrário do dobrar dos sinos. Como um pastor deve cuidar de suas ovelhas, Frei Calazans, de pronto, já decidiu baixar o volume dos sinos digitais, mantendo as tradições religiosa e comunitária. O dobrar dos sinos representa a “voz de Deus”, cuja percepção transporta a alma para além das fronteiras do mundo terreno.

* Um amante do som dos sinos

OS DOIS PENTECOSTES E OS FENÔMENOS MEDIÚNICOS DE XENOGLOSSIA

Os espíritos comunicam-se conosco por meio dos pneumáticos (profetas ou médiuns). E têm que ser examinados (1 João 4: 1), para sabermos se são bons ou maus. Mas parte dos cristãos, em um erro milenar, tem considerado maus, exceto o de Deus, todos os espíritos manifestantes aos quais eles chamam de “demônios” e não os tendo como espíritos humanos, quando pelos originais bíblicos em grego: “daimones” (“demônios”), eles são sim almas ou espíritos humanos.

E o Espírito de Deus mesmo nunca se manifesta, pois quem vir Deus não continua vivo (Êxodo 33: 20); e o próprio Jesus diz: “Ninguém jamais viu a Deus, a não ser aquele que lá de cima desceu.” (João 1: 18). Assim, os cristãos que dizem receber o Santo Espírito do próprio Deus estão totalmente errados. Aliás, se alguém receber o Espírito do próprio Deus, ele não só morre, mas desintegra-se!

Quando, pois, alguém diz palavras sem nexo ou fica num bla bla bla ou gemidos, não se trata da manifestação do Santo Espírito de Deus, mas de um espírito, o que tem o nome de glossolalia. É como se falasse para o ar (1 Coríntios 14: 9).

Porém existe a xenoglossia (comunicação de um espírito humano falando uma língua estrangeira desconhecida através de um médium ou profeta: “Dou graças a Deus, porque falo em ouras línguas mais do que todos vós.” (1 Coríntios 14: 18). Como se vê, Paulo nos ensina que falar mesmo em outras línguas não é bla bla bla! Mas tem que haver intérprete que conheça a língua e possa interpretá-la para si e para os outros. E ele acentua que é melhor profetizar do que falar em outras línguas. (1 Coríntios 14: 39). Esse dom espiritual ou mediúnico de falar em línguas estrangeiras, inclusive algumas línguas já mortas como o sânscrito e o latim, e que o médium não conhece, é estudado hoje pela Parapsicologia ou Psicotrônica, principalmente nos meios espíritas científicos.

Quando em português se diz ‘o Espírito Santo’, é tradução errada da Bíblia, pois nela o correto em grego é ‘um espírito santo’ ou um dos espíritos humanos bons (Jesus, Nossa Senhora, são Paulo, são Judas Tadeu, são José, são Vicente de Paulo, são Francisco de Assis, Bezerra de Menezes, Eurípedes Barsanulfo, santa Tereza de Calcutá, são João XXIII, são João Paulo II, Gandhi, Chico Xavier e bilhões de espíritos desconhecidos.

Em Pentecostes, estavam reunidos com os apóstolos, num mesmo lugar, estrangeiros de várias nações, os quais entenderam as suas respectivas línguas estrangeiras faladas por espíritos através dos apóstolos: De repente, com um vento forte e línguas como que de fogo, mas não fogo mesmo, os apóstolos receberam espíritos santos falando em várias línguas que foram entendidas pelos estrangeiros presentes (Atos 2: 1 a 13).

E outro Pentecostes aconteceu com os gentios, que não eram, pois, cristãos, com os quais houve também o fenômeno de línguas (Atos 10: 44 a 48), confirmando o que dizem Joel e Pedro: “Derramarei de meu espírito sobre toda a carne” (Atos 2: 17). Mas parte dos cristãos, erradamente, ainda diz que só Deus se manifesta, e que todos os outros espíritos manifestantes são maus. Então estaria Deus apoiando os espíritos maus, deixando que apenas eles se manifestem para fazer mal a nós, e emudecendo os espíritos bons que podem fazer-nos bem? Não e não, pois Deus é bom!

PS: PS: Agora em DVD, o filme espírita “Nos Passos do Mestre”, da Mundo Maior Filmes, da Fundação Espírita André Luiz (FEAL) e dirigido por André Marouço. http://www.mundomaior.com.br/

Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis

Enegia Solar - Casa Sustentavel-400x400A Universidade Federal do Sul da Bahia terá um ciclo de oficinas para a Implantação de uma “Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis” no Campus Jorge Amado, em Ferradas/Itabuna, nos meses de março e abril de 2017. As oficinas serão ofertadas por docentes da UFSB e especialistas da região que integram o Programa Integrado de Pesquisa, Extensão, Criação e Inovação (PIPECI) em Meio Ambiente e Saneamento da UFSB. As oficinas são direcionadas para os estudantes da UFSB e pessoas das comunidades de entorno do campus, com especial interesse na área.

Interessados em participar deverão preencher o formulário eletrônico disponibilizado no link e ficar atentos ao período de inscrições. Nas oficinas, os cursistas terão oportunidade de conhecer a “Casa Inteligente” e contribuir para a implantação das “Práticas Sustentáveis” e, ainda, absorver os conceitos técnicos relacionados com o cotidiano da Casa Inteligente, podendo se tornar usuários e disseminadores das práticas.

Segundo o coordenador das oficinas, o professor Marcelo Soares Teles Santos, docente da UFSB, a proposta consiste na requalificação de espaços e processos de uma casa convencional, visando o seu funcionamento dentro dos princípios atuais de sustentabilidade, ou seja, a transformação de uma casa convencional em uma Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis.

A Casa Inteligente, além de ser adaptada por intervenções da “Arquitetura Sustentável ou Ecológica”, especialmente relacionadas com o aproveitamento de iluminação e ventilação natural (toldos, jardins verticais, telhado verde, ventilação cruzada), será operacionalizada com práticas cotidianas sustentáveis, tais como coleta, reutilização, reciclagem, tratamento e disposição final de resíduos sólidos; coleta e aproveitamento de água de chuva; coleta, tratamento e reuso de águas residuárias; uso de energias limpas (solar, eólica, biogás); e, uso de técnicas de agricultura familiar (Agroecologia e Produção Orgânica). Essa requalificação será realizada em uma das edificações já existentes do Campus Jorge Amado.

O professor explica que as instalações e a operação da Casa Inteligente de Práticas Sustentáveis permitirão, num futuro próximo, o desenvolvimento de pesquisa, extensão, criação e inovação na área de Sustentabilidade. E, ainda, a Casa Inteligente será utilizada nas práticas de “Ensino Contextualizado de Ciências e Engenharias” pelos estudantes da Formação Escolar Básica da região e dos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Universidade. Além disso, a partir de visitas orientadas, a Casa Inteligente permitirá divulgar e popularizar a proposta para diversos públicos, tais como estudantes, profissionais e empresários da área de sustentabilidade, comunidade em geral, consistindo em uma fonte potencial para o desenvolvimento desse setor econômico de demanda crescente na sociedade moderna.

O fato de a “Casa” ser, além de sustentável, também “Inteligente”, se justifica, pois, a maioria dos processos serão mensurados, monitorados e disponibilizados em tempo real na tela do computador, sendo utilizados no desenvolvimento de processos de otimização e eficientização das práticas sustentáveis. Nesse caso, vale destacar que todas as operações da Casa Inteligente serão gerenciadas por estudantes da UFSB, especialmente do Curso de Engenharia da Sustentabilidade, os quais poderão conhecer, na prática, os conceitos que terão que aprender nos Componentes Curriculares da Universidade. + LEIA MAIS »

Educadores físicos passam a adotar o kettlebell na preparação de atletas

Joyce Araújo - Academia Guerreiros da Laje

Joyce Araújo – Academia Guerreiros da Laje

A atleta de artes marciais Joyce Araújo inseriu o o kettlebell na sua preparação física. Multipremiada em judô e jiu jitsu – modalidades em que é faixa preta – Joyce é uma das competidoras do Torneio de Kettlebell que será realizado no dia 25 de março próximo, no sítio histórico de Canavieiras, com a participação de atletas de Salvador, Itabuna, Ilhéus e da própria cidade.

Professora de educação física da Academia Guerreiros da Laje, em Canavieiras, Joyce ressalta os resultados positivos conseguidos após os treinamentos com kettlebell, que também recomenda para seus alunos de judô, jiu jitsu e boxe. “Logo na primeira semana que fui apresentada ao kettlebell senti que era uma modalidade de treinamento correto e já estou me preparando para o torneio”, .

A professora Joyce Araújo adotou o kettlebell na preparação física há seis meses e é treinada pelo coach da Brutal João Rosário. O esporte se tornou sua nova paixão e é uma atleta aplicada, que leva as atividades a sério, tanto assim que acredita no bom desempenho dos 10 atletas da equipe de Canavieiras. Para ela, competir com o pessoal de Itabuna, Ilhéus e Salvador irá ser uma ótima oportunidade para aprimorar os conhecimentos.

Leandro Melo - indio

Leandro Melo – indio

Evolução – Há 6 meses o educador físico canavieirense Leandro Melo Alves (Índio) começou a praticar o kettlebell sport com João Rosário. Leandro, que dá aula na Academia Master, passou a inserir o kettlebell no treino de seus alunos e cinco deles integrarão a equipe que participará do 1º Torneio de Kettlebell Sport de Canavieiras.

Para o professor Leandro, o kettebell tem sido um novo desafio na sua atividade profissional e ele considera que a cada dia há uma nova superação e realização. “O kettlebell dá mais força, flexibilidade, mobilidade e o que antes não conseguia realizar, hoje, com essa ferramenta fazemos nossos treino com muita mais facilidade”, explica.

O evento será aberto ao público num dos principais cartões postais de Canavieiras, o sítio histórico, ao lado do coreto, no dia 25 de março a partir das 15 horas. As provas em disputa serão long cycle, snatch e jerk. O evento conta com o patrocínio da Hidraluz, Mercado Compre Bem, Posto Canes, CDL de Canavieiras, Casa do Estudante, Fornão Pizzaria, Malu Móveis, Ótica São Raphael. Contam, ainda, com o apoio da Prefeitura de Canavieiras, Costa Sul FM 99.3, Jornal Tabu, Açaizeiro, Lavnil Lavanderia e Jornal Agora.

Mais informações no whatsapp (73) 99827-9091, com João Rosário.

Confira nos links http://bit.ly/2jxR3Rf e https://www.facebook.com/brutalSC/

José Adervan – foi o homem fica sua história

Walmir Rosário*

Em 3 de março próximo José Adervan de Oliveira completaria 75 anos de existência, 66 deles vividos em Itabuna – sem levar em conta o período que passou em Salvador e Alagoinhas. A intenção dos amigos e família era elaborar uma edição especial do Jornal Agora para homenageá-lo, mas como ainda não conseguiram tornar a vida perene, nos deixou antes disso.

Lutou contra a enfermidade até não poder mais. E não poderia ser diferente para quem passou toda a vida superando obstáculos, sempre com a naturalidade que lhe era peculiar. Se as coisas estavam difíceis, aí era que ele apostava num salto mais alto. Contava que aprendeu isso com sua mãe, obstinada, como toda sergipana, em tornar vencer as dificuldades.

E Adervan, o mais baiano – grapiúna – dos sergipanos, costumava lembrar do dia em que chegou a Itabuna, numa data qualquer de 1951, em cima de um “pau-de-arara”, fugindo da terrível seca. Aos nove anos, o menino se deslumbrou quando o caminhão parou no terreno baldio onde hoje é o Fórum Ruy Barbosa, e resolveu fazer um reconhecimento daquela que seria a cidade do seu coração.

Mais do que sergipano de Boquim, passou a ser itabunense e cidadão da região cacaueira, título dado e passado pela população do Sul da Bahia, como reconhecimento dos seus feitos. Era um obstinado pelo desenvolvimento regional e travou uma luta constante na defesa da nossa economia, pelo cumprimento das promessas dos políticos, e pela garantia básica de direitos assegurados em nossa Constituição, como educação, saúde e cidadania.

É bom que se diga que esse estofo não nasceu do Jornal Agora, bastião da defesa regional, criado por Adervan e Ramiro Aquino, uma instituição que teima em desafiar a história, sobrevivendo por longos 35 anos. Não pensem que foi o Jornal Agora quem fez Adervan. Foi exatamente o contrário e desde os tempos de Alagoinhas que ele já se dedicava à imprensa, editando uma revista.

Dos tempos menino, quando começou a respirar o cheiro das tintas nas gráficas, ainda com tipos frios, passou pelo chumbo quente dos linotipos até as impressoras planas e a composição digital. Durante esse período, dividiu seu tempo com a política, a começar pela estudantil, elegendo-se presidente da então toda poderosa União dos Estudantes Secundaristas de Itabuna (Uesi).

Por ocasião da eleição para o Governo do Estado da Bahia, encampou a luta em defesa da construção do novo Colégio Estadual de Itabuna exigindo o compromisso dos dois candidatos – Waldir Pires e Lomanto Júnior. Eleito, Lomanto manteve o compromisso e construiu um novo prédio no bairro São Caetano.

Defensor intransigente da educação como indispensável para a formação do homem, Adervan, já economista diplomado pela Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna (Fespi), prestou sua colaboração à educação superior, como professor da instituição. Mais acreditava que poderia contribuir ainda mais e se tornou um baluarte pela sua estadualização.

Assim como lutou pela transformação da Fespi em Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) se empenhou na criação da Universidade Federal do Sul da Bahia (USSB). Mas nada disso se compara como o carinho com que recebia jovens estudantes que frequentemente visitava o Agora. Sua paixão era tanta que ao criar o suplemento Agora Teen, elaborado com a paricipação dos alunos das escolas, acreditava que fosse um veículo especial para a formação de novos leitores.

Uma das suas criações e que se transformou em seu “xodó”, o Agora, mais do que um jornal se transformou numa escola. Pela redação que tive o prazer de participar algumas vezes, convivíamos com o que tinha de melhor no jornalismo. Numa só redação, nomes como Antônio Lopes, Joel Filho, Kleber Torres Vera Rabelo, Ricardo Ribeiro, Jorge Araújo, Ricardino Batista, Juarez Vicente, Gonzalez Pereira, Eduardo Lawinsky, Kaline Ribeiro, Paulo Fumaça, Walter Júnior, Arnold Coelho, Waldyr Gomes, dentre muitos outros, circulavam com desenvoltura.

Junto com Ramiro Aquino já inovava ao criar a Plopan, que revolucionou o setor de eventos e grandes promoções no Sul da Bahia, atuando nas áreas de entretenimento, com grandes atrações. No esporte brilhou ainda mais, ao lançar os títulos patrimoniais do Itabuna Esporte Clube (Meu time de fé), promovendo grandes jogos com as grande equipes do Brasil.

Bom garfo e bom copo, dispensava um convite de que festividade fosse, ou abandonava-a, quando chegava a hora de assistir pela TV aos jogos do seu time querido: o Flamengo. Apesar do DNA festeiro, duas festas lhe eram sagradas: o Natal, em que fazia questão da família e amigos juntos em casa, e o Carnaval, que desfilava ao modo antigo com sua cartola.

Citar as qualidades de Adervan é chover no molhado. Afinal, o homem é medido pelos seus feitos e necessário seria um extenso e enfadonho relatório nominando sua participação. A sua participação na sociedade está escrita nas entidades em que serviu, como a Maçonaria, AABB, CDL, Associação Comercial, e as que participava com apoio e entusiasmo.

No Sul da Bahia, em qualquer das cidades, sempre haverá alguém com uma história de Adervan na ponta da língua para contar. Assim como lutou pelas causas da sociedade, lutou bravamente contra uma enfermidade, se recusando a abandonar sua trincheira. Como bom anfitrião, recebia os amigos e gostava-os de vê-los à sua volta até o último instante.

E assim se despediu: no dia de jogo do Flamengo contra o Botafogo (perdôo-o pela vitória) e de Carnaval. Com as bençãos de Deus!

* Um grande amigo.

Ceplac e a síndrome da Gabriela

Editorial do Jornal Agora, publicado sexta-feira (24-02-17)

Se nada tivesse dito além de admoestar os dirigentes da Ceplac na Bahia quanto à síndrome da Gabriela que acomete aquele órgão federal, o secretário estadual da Ciência, Tecnologia e Inovação, José Vivaldo Mendonça, já teria cumprido um bom papel durante a solenidade de comemoração dos 60 anos do departamento que cuida do cacau no Brasil, registrados na segunda-feira (20).

Disse Vivaldo (não literalmente): “A Ceplac precisa deixar a síndrome da Gabriela – ‘eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim’”. A citação à icônica personagem de Jorge Amado é uma referência à “Modinha para Gabriela” (1975), composição de outro gênio baiano, Dorival Caymmi, imortalizada na voz da diva Gal Costa.

Pois bem. Nunca antes na história da Ceplac houve uma reação tão forte contra um diretor, como o ataque que se verifica contra Juvenal Maynart nas últimas semanas. Em apenas uma ação, pelo menos três interesses estão em jogo: o do presidente do PMDB, Pedro Arnaldo, por motivos pessoais – segundo o próprio confidencia a interlocutores. O de um grupo de ceplaqueanos, notadamente de alguns auditores fiscais federais – os que antes eram identificados apenas como “os agrônomos” e eram os “donos” do órgão. E, por último, aquela conhecida reserva de mercado do corpo diretivo da Ceplac, que, ao contrário do servidor comum, rejeita tudo o que não é ele mesmo. Nesse caso, a síndrome é outra, de Narciso.

O pano de fundo é a manutenção de um espaço físico, o prédio do Centro de Extensão (Cenex), que os auditores fiscais federais estimulam servidores e dirigentes sindicais e representantes de entidades de funcionários, a “defenderem” contra a “sanha” de Juvenal. Afirmam que o diretor é insensível ao sentimento de pertencimento que eles têm ao prédio, a casa a partir de onde a Ceplac expandiu suas fronteiras, nos idos dos anos 1960, levando a tecnologia produzida pelo Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec).

O prédio em questão tem quatro mil metros quadrados – usando a “medida-padrão” da Rede Globo, seria equivalente a quatro campos de futebol – e ali já trabalharam 200 servidores, nos tempos áureos. Hoje são 71. Desses, porém, apenas 32 são ligados à atividade-fim. Os demais são do setor burocrático, agentes de portaria, de transportes etc., e serão todos remanejados para outros postos, a partir da centralização administrativa promovida pelo Ministério da Agricultura – lembremos que a Ceplac foi transformada em um departamento, na gestão do último diretor, Sérgio Murilo, por sinal um grande opositor de Maynart nesse processo.

Calma que ainda reduz mais: dessas 32 almas, duas estão de saída. Uma será cedida à Justiça Eleitoral e outra está assumindo um cargo no governo estadual. Ficaria, portanto, o prédio do Cenex, habitado por apenas 30 bravos extensionistas – auditores fiscais federais e agentes de atividades agropecuárias, os antigos técnicos agrícolas.

Ora, num momento em que o país clama por boas práticas e que sejam observados ao máximo os princípios da economicidade, da eficiência e da razoabilidade na administração pública, é no mínimo uma demonstração de bom-senso apoiar a transferência desses guerreiros de outrora a um novo espaço, menos dispendioso para os bolsos do cidadão-contribuinte. Deem-se-lhes as medalhas e comendas merecidas. Mas, não estimulem essa grave síndrome que acomete a nossa velha senhora da cacauicultura.

Também publicado por: http://www.otrombone.com.br

Kettebell é indicado no treinamento de pessoas de todas as idades

O esporte vem conquistando muitos praticantes em Canavieiras, por fortalecer o corpo inteiro de forma integrada e dinâmica

Tárcio começou a treinar há 6 meses, perdeu 10 kg e fará sua estreia no torneio

Tárcio começou a treinar há 6 meses, perdeu 10 kg e estreia no torneio

Tendo como cenário o casario do sítio histórico de Canavieiras e o Porto do Rio Pardo, atletas de Salvador, Itabuna e de várias cidades do Sul da Bahia participam do 1º Torneio Brutal de Kettlebell Sport, ao lado do coreto entre a praça Eduardo Campos e a rua Felinto Melo. O evento será realizado no dia 25 de março (sábado), e será o primeiro torneio de kettlebell realizado no interior da Bahia.

Segundo o organizador da competição, João Rosário, as provas em disputa serão realizadas nas modalidades long cycle, snatch e jerk e será uma grande oportunidade para verificar o desempenho dos atletas baianos. “O torneio será uma fase de preparação para os atletas que irão participar, em setembro próximo, em Salvador, da etapa do GP Mundial de Kettlebell da Associação Mundial de Clubes de Kettlebell (WAKSC).

O torneio, promovido por João Rosário, da empresa Brutal Strength and Conditioning, especialista em Kettlebell e uma das maiores referências no Brasil nesse esporte, que alia força e técnica para levantar uma bola de ferro por tempo determinado. Hoje, o kettlebell vem conquistando muitos praticantes em Canavieiras, por fortalecer o corpo inteiro de forma integrada e dinâmica.

Emagrecer de forma saudável – Um exemplo é Tárcio Oliveira, que perdeu 20 quilos em 2016, 10 nos últimos seis meses treinando com kettlebell. Muito treino, dedicação e paixão deste guarda civil municipal canavieirense pelo esporte que conheceu através de Joao Rosário, e que em 25 de março será um dos exemplos de superação dos atletas que disputarão o 1º Torneio Brutal de Kettlebell Sport, em Canavieiras-BA. Confira no vídeo – https://youtu.be/TyJ8ElqtMUQ – o depoimento de Tárcio e venha prestigiar o campeonato competindo ou torcendo pelos atletas da região fortalecendo assim o esporte.

O 1º Torneio Brutal de Kettlebell Sport já conta com o apoio da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Canavieiras, Óticas São Raphael, Pop Discos/Malu Móveis, Jornal Tabu, Jornal Agora, Costa Sul FM e Açaizeiro.

Quer competir também? Então se apresse. As inscrições para o torneio se encerram no dia 27 de fevereiro. Confira no site www.brutalsc.com todas as informações sobre a inscrição (formulário) e organização do torneio. Mais informações no whatsapp (73) 99827-9091, com João Rosário. A entrada é franca.

Taxa do cheque especial aumenta em agosto
 
A taxa média do cheque especial nos bancos em agosto foi de 13,52% ao mês (a.m.), alta de 0,06 ponto percentual em relação ao mês anterior, segundo pesquisa do Procon de São Paulo. A maior alta foi encontrada no Banco do Brasil
 
LEIA MAIS
 
Artista canavieirense se inspira nas belezas naturais de sua terra
Aos 35 anos, quatro dos quais dedicados à arte, Thiago tem despertado a atenção de turistas e nativos pela simplicidade de seus trabalho, com traços e entalhes precisos, retratando animais do bioma Mata Atlântica.
 
LEIA MAIS
Alto Beco do Fuxico festeja seus 30 anos
 
Saudosismo, amizade, cachaça da boa, cerveja bem gelada, mocofato preparado por Danilo, música de todos os gêneros e para atender todos os gostos. Esse foi o combustível que moveu membros da Confraria do Alto Beco do Fuxico, os acadêmicos da Academia de Letras, Artes, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utopia e Etc. (Alambique), além de outros frequentadores do Alto Beco do Fuxico.
 
LEIA MAIS