CIA DA NOTÍCIA

Inclusão social através do esporte

O projeto de inclusão é executado em parceria

Um projeto de inclusão social na área esportiva voltado para pessoas com deficiência física está sendo executado pela Prefeitura de Ilhéus, através da Superintendência de Esportes, em conjunto com as secretarias de Turismo, Educação, Assistência Social e Trabalho, Direc-6 e a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). No ginásio de esportes Herval Soledade, no estádio Mário Pessoa, e na quadra poliesportiva do Rotary Clube, na zona norte da cidade, uma equipe coordenada pela professora de educação física da Uesc, Joslei Viana, treina basquete e handebol sobre rodas, goalboall para cegos, dentre outras modalidades esportivas. A inscrição e gratuita.

Os treinos estão sendo realizados desde o início do mês, à tarde, com a participação de estudantes do curso de educação física da Uesc. Nas atividades, a instituição empresta cadeiras de rodas adaptadas. Joslei Viana explica que o projeto tem como público-alvo pessoas com deficiência física, visual, motora e intelectual que utilizam bocha, jogo em que cada parceiro com três bolas de madeira as atira a certa distância, tentando aproximá-las tanto quanto possível de outra, pequena, denominada de bolim.

O projeto absorve pessoas de 10 anos até a fase adulta, de ambos os sexos, residentes nos diversos municípios do Sul da Bahia. Informações adicionais podem ser obtidas na Uesc, em horário comercial, através do telefone (73) 3680-5123. Para o segundo semestre deste ano está prevista uma competição esportiva envolvendo os participantes. Os treinamentos acontecem sempre as segundas, quartas e sextas-feiras, no estádio Mário Pessoa, as terças e quintas-feiras, no ginásio de esportes Herval Soledade e na quadra poliesportiva do Rotary Clube.

Bookmark and Share

One Response to “Inclusão social através do esporte”

  • Angela Góes disse:

    A diversidade é uma das maiores riquezas do ser humano no planeta e a existência de indivíduos diferentes numa cidade, num país, com suas diferentes culturas, etnias e gerações e condição física fazem com que o mundo se torne mais completo.
    Mas essa convivência só se torna possível se as diferenças forem respeitadas. O artigo 2º da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), diz que não deve haver, em nenhum momento, discriminação por raça, cor, gênero, idioma, nacionalidade, opinião ou qualquer outro motivo.
    No Brasil, a proteção e a promoção dos direitos de todo ser humano devem ser articuladas e colocadas em prática, aqui no sul da Bahia Ilhéus está de parabéns, por desenvolver suas ações na defesa dos direitos da cidadania, das pessoas com deficiência, quando desenvolve programas de inclusão no esporte colocando na prática os princípios estabelecidos no Estatuto da PcD. Assim, caminha-se para garantir que a rica diversidade da população brasileira seja preservada, sem algum tipo de discriminação, como é pratica da maioria das cidades da região do sul da Bahia, só se preocupa com o esporte com os ditos “normais” e os jovens do segmento das PcD , são rejeitados e relegados ao desprezo pelos gestores municipais na sua respectivas secretarias de esporte.

Leave a Reply

Anti-Spam Protection by WP-SpamFree

Canavieiras pretende ampliar setor turístico
 
O resgate da atividade turística é uma das metas estabelecidas pelo prefeito Almir Melo para ter o turismo como uma das principais atividades econômicas. Trabalho com essa finalidade está sendo desenvolvido pelo secretário Fernando Volpi e que já produz resultados positivos.
 
LEIA MAIS
 
Prefeitura de Canavieiras define data de início do Projeto Verão
A Comissão organizadora do Projeto Verão 2013-14 – integrado pelas secretarias do Turismo e Cultura – já definiu com o prefeito Almir Melo a data de lançamento e início dos eventos. Será na noite de 6 de dezembro, com apresentações artísticas, culturais e esportivas durante as tardes-noites de sexta, sábado e domingo, no sítio histórico.
 
LEIA MAIS
Alto Beco do Fuxico festeja seus 30 anos
 
Saudosismo, amizade, cachaça da boa, cerveja bem gelada, mocofato preparado por Danilo, música de todos os gêneros e para atender todos os gostos. Esse foi o combustível que moveu membros da Confraria do Alto Beco do Fuxico, os acadêmicos da Academia de Letras, Artes, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utopia e Etc. (Alambique), além de outros frequentadores do Alto Beco do Fuxico.
 
LEIA MAIS