CIA DA NOTÍCIA

Posts Tagged ‘justiça’

E tudo continua como dantes

Walmir Rosário*

Apesar da tempestade de notícias diárias que aproxima a política da polícia, o Brasil retorna a normalidade após um breve período de festejos juninos, mais forte no Nordeste do que no restante do país. Por essa parte do Brasil, todas as quadrilhas já foram desmontadas, embora o mesmo não poderemos afirmar em relação à capital federal. Faz parte da cultura.

As instituições funcionam – é verdade que não tão bem as de ordem política – e nossa economia dá, mais uma vez, a demonstração que está cada vez mais vigorosa, haja vista os números que vêm sendo apresentados. Como sempre, o setor privado continua a mil maravilhas, embora não se possa dizer o mesmo em relação ao setor público. É uma mazela que persiste.

Se antes nos acostumamos a presenciar as crises “fabricadas” às quintas-feiras em Brasília, agora estamos mergulhadas nela de forma permanente, mas pouco caso fazemos. A expectativa do fim de semana em relação às mazelas que poderiam vir na segunda-feira é coisa do passado. Vivemos hoje no fio da navalha. E pouco ou quase nada ligamos para isso.

Não fosse a Operação Lava Jato, a crise política não seria considerada apenas um desequilíbrio na conjuntura socioeconômica e uma da fases problemáticas de nosso país. Para uns, nem mesmo preocupação causava, pois já estava arraigada nos costumes, como uma cultura do Estado sentida pelo segmento privado. Mas do que uma cultura, um atavismo.

Mas eis que vivemos hoje num mundo diferente, moderno, em que as novas tecnologias nos são apresentadas a cada semana, sem nos causar qualquer surpresa. As redes sociais “andam” a mais de mil por hora, superando a barreira do som, com notícias para todos os gostos, embora seja necessário separar o joio do trigo. Nem sempre tudo que é bom é verdadeiro.

Nunca antes na história desse Brasil varonil nos indignamos tanto e a toda a hora com as denúncias que nos chegam, mas que aprendemos a tolerá-la da forma mais cândida possível. Após as explosões de praxe, relaxamos e chegamos à conclusão que sempre foi assim, mesmo vendo que cada vez mais colarinhos brancos são presos e condenados. São os sinais de mudança dos tempos.

Sempre nos acostumamos a saber que – a grosso modo – uma das diferenças entre a direita e a esquerda vai além das questões básicas que os unem, como o pensamento. Entre os capitalistas, a defesa do capital os reúne de pronto, enquanto outras divergência serão discutidas; já na esquerda, qualquer discordância, por menor que seja, é o caos. Esta talvez seja o ponto básico do comportamento econômico brasileiro.

Os políticos – seja de que ideologia professem – que resolvam seus problemas pendentes com as instituições cabíveis, como Polícia, Ministério Público e Justiça. Os empresários que cuidem da economia, nos moldes permitidos pela legislação e pela ordem mundial, no sentido de gerar divisas e proporcionar o desenvolvimento. Desde os tempos mais remotos, essa tem sido a ordem.

Um dos motivos principais dos nossos problemas econômicos tem sido a má gestão ou a falta de gestão dos recursos públicos, tomados a força dos contribuintes, sem qualquer preocupação. A meta é sempre ter mais dinheiro para gastar e de forma desordenada como vivenciamos nos últimos 517 anos, com nossa concordância. Com a pólvora alheia o tiro é mais forte.

A preocupação primordial é o pagamento do juros aos bancos, o rico bem-estar dos políticos, as benesses aos amigos empreendedores com os recursos do tesouro federal. Já os recursos para implantar a infraestrutura necessária para a produção de riquezas estão cada vez mais escassos; os benefícios sociais são dispendiosos e dependem do aumento de impostos. O planejamento se resume à gastança.

Mas já nos acostumamos com isso tudo e chegamos a acreditar que os desvios de finalidade dos recursos público fazem parte da vida pública e chega a ser uma das prerrogativas dos políticos. Como na nossa legislação o Estado não pode declarar falência, sempre há alguém com um pires na mão em busca de recursos para tapar os rombos. Vale a pena ser perdulário.

Não sei o motivo de me preocupar com essas coisas, pois aprendi que desde o descobrimento do Brasil o fidalgo Pero Vaz de Caminha, escrivão da frota de Pedro Álvares Cabral, já pedia ao rei Dom Manoel sinecuras para seus parentes. E desta forma se fez o Brasil por todos esses séculos em que sempre valeu a pena ser “amigo do rei”.

Talvez seja eu um inconformado. É, devo ser!

*Radialista, jornalista e advogado.

Publicada originalmente no www.costasulfm.com.br

NO LUGAR E HORA ERRADAS

Walmir Rosário

Enquanto aqui no Brasil passamos os dias tentando debater sobre a validade e a continuidade da Operação Lava jato, a justiça da França confirma em grau de recurso, a condenação do deputado paulista Paulo Maluf (PP-SP). Lá, os franceses aplicaram uma pena de três anos de prisão, além de multa de 200 mil euros (R$ 725 mil), por crime de lavagem de dinheiro, fato ocorrido naquele país entre 1996 e 2003.

Aqui por essas bandas não temos visto e ouvido notícias das traquinagens praticadas por Paulo Maluf com o dinheiro público, haja vista não aparecer no Mensalão e na Lava Jato. Entretanto, estar fora dessas duas esculhambações não lhe dá um atestado de boa conduta, como tentou apresentar por muito tempo, o que conseguiu, em parte, nesta terra brasilis.

Se entre nós teve algum êxito não conseguiu o mesmo intento lá fora, especialmente na França, Suíça e Inglaterra, onde as investigações foram feitas de forma célere e séria. Além do deputado Paulo Maluf, também têm ficha suja nesses países sua parentela, especialmente sua esposa Sylvia e o seu filho Flávio.

Essa alta soma de recursos apreendidos na Europa seriam de malandragens feitas com o suado contribuinte paulista, nos tempos em que Paulo Maluf se jactava de ser o maior prefeito da cidade paulistana. A construção de um viaduto aqui, um túnel por ali ou um conjunto residencial Cingapura (com C, mesmo), para que a propina fosse tamanho família.

E todo esse dinheiro, como de todos os tubarões da época, eram direcionados para os bancos suíços e de outros paraísos fiscais, considerados símbolos de segurança. E realmente foram, até que as autoridades desses países começassem a investigar a origem, de tantos recursos. E não deu outra: a casa caiu. Não dos conjuntos habitacionais para a população de baixa renda, mas a de Paulo Maluf.

Mesmo diante de todas as negativas (próprias dos políticos) de que tais somas de dinheiro não lhe pertenciam (acredito que fez escola após Lula firmar coligação com Maluf para apoiar o deputado apoiar se candidato Haddad), os gringos chegaram à origem criminosa. Já em nosso Brasil varonil, o processo pesa e caminha com muita lentidão entre os cartórios e salas de audiência, haja vista a quantidade de recursos, em sua maioria protelatórios.

Nosso tem tão operoso deputado e sua estimada família não pode aparecer pela França – onde apareciam com a mesmo frequência de que vou caminhar na praia – sob pena de serem todos presos. Mesmo assim não descuida dos processos, para os quais contratou batalhões de advogados das melhores bancas desses países.

Se lá não vão, para evitar quaisquer desentendimentos com Interpol, o deputado Paulo Maluf e sua estimada família desfrutam das suas mansões nas melhores cidades, cada uma devidamente apropriada para cada estação do ano. Como eram useiros e vezeiros desses paraísos internacionais, deixam essas temporadas para o deleite dos emergentes, os conhecidos new rich.

Por incrível que pareça, Paulo Maluf teve mais sorte dos que seus colegas de parlamente e os políticos do executivo, pois não tem a Rede Globo lhe atazanando durante todo o dia e o dia todo. É verdade que já passou por isso em tempo recuados, e sabe muito bem o que a “bola da vez” sofre. Deve ter sido questão de oportunidade.

Por outro lado, faltou a Paulo Maluf – caso estivesse no meio do Mensalão e da Lava Jato, ou outra qualquer de somenos importância – a condição de dispor de um fã clube. Sim, hoje, na atual política brasileira, o cidadão comum deixou a condição de ser apenas um eleitor de cabresto para ostentar o status de idólatra de bandidos do seu partido.

Não sei, mas acredito que Paulo Maluf se encontrava no lugar e na hora erradas.

Radialista, jornalista e advogado.

Publicada originalmente no www.costasulfm.com.br

Para mim basta, agora é com o Ministério Público

Walmir Rosário – 

Enquanto a Santa Casa de Misericórdia de Itabuna não consegue fazer milagre, o prefeito de Itabuna, Vane, que nem apóstolo ainda é, tenta realizar essa proeza. Mas, a exemplo do que nos ensina a Bíblia, não multiplicará pães e peixes, ou transformar água em vinho, e sim diminuir os já parcos recursos públicos do Município de Itabuna em ações temerárias.

Para conseguir esse fato, nem tão inédito, já deu ordens expressas à Procuradoria Jurídica do Município no sentido de que “busque formas” de pagar os mais de R$ 4 milhões numa ação ordinária de cobrança (nº0014890-03.2008.8.05.0113) que tramita na 1ª Vara da Fazenda Pública de Itabuna. Através de acordo, é claro.

Proposta em 15 de setembro de 2008 pela Santa Casa de Misericórdia de Itabuna contra a Prefeitura, a ação sempre foi considerada temerária, por não possuir provas concretas da prestação dos serviços prestados. A ação tem como características singulares:

1-   não ter sido proposta para ser julgada pela Justiça, e sim através de acordo, não admitindo contestação ou qualquer verificação, seja a que título for, inclusive auditoria para verificar a origem do pretenso debito;

2-   é, inicialmente refutada pelos prefeitos, quando entram, embora eles mudem de ideia pouco tempo depois. Foi assim com o capitão Azevedo e agora com Vane do Renascer. E não explicam a origem da mudança e da pretensão de pagamento;

3-   na ação, a autora age como se tivesse a presunção de veracidade dos fatos alegados – fé pública – só por ser considerada “entidade filantrópica”.

Só que a ação foi contestada pela Procuradoria Jurídica, quando proposta, e os pseudodocumentos comprobatórios não resistem a uma simples análise, embora continuem os mesmo e as discussões sobre o acordo sejam feita fora do ambiente forense.

Conduta idêntica ocorre em relação ao aval do secretário Municipal da Saúde, que nem sempre concorda em apor seu “chamegão” no pretenso “cheque em branco”. Mudam-se os secretários, o problema persiste, aguardam-se novos argumentos dos procuradores-jurídicos de plantão do Município.

Mas como nem sempre o procurador é servidor concursado do município e sim nomeado pelo governo, as possibilidades de pareceres e entendimentos poderão ser os mais díspares possíveis. Até porque o entendimento do direito tem duas vias: a de quem pede e a de quem contesta, capazes de encher páginas e páginas de argumentos.

A mudança de opinião dos prefeitos também é muito relativa. Afinal, os ensinamentos bíblicos dão conta que nem sempre as obrigações são fielmente cumpridas como juradas. E a passagem da expulsão dos vendilhões do templo por Jesus Cristo serve de exemplo límpido e claro.

Tudo que é alegado nos autos tem de ser provado através dos mais diversos tipos de prova admitidos em direito. Não basta, apenas dizer que “assim se passou” e os documentos acostados não resistirem a uma simples verificação, ou como se diz no jargão forense, não subsiste a uma simples análise perfunctória (com redundância e tudo).

Ora, se nem aos sacerdotes (vide a Bíblia) a promessa assumida é uma garantia da conduta, na política, onde a arte de mentir é o que vale, seria diferente. Na política, o que voga é assumir o compromisso futuro de descumprir.

Nesse caso, restaria apenas ao Ministério Público reparar os desvios por acaso cometidos, agindo como Jesus Cristo ao expulsar os vendilhões do templo, ou, no caso, das instituições públicas.

É o que se espera!

Jornalista, advogado e editor do www.ciadanoticia.com.br

ITABUNA: JUSTIÇA SUSPENDE CONTRATAÇÃO DE APROVADOS EM PROCESSO SELETIVO

Apesar do pouco tempo, o prefeito Vane já é indiciado por improbidade administrativa

– PREFEITO, SECRETÁRIA E COORDENADORA DE PROCESSO
SELETIVO SÃO DENUNCIADOS POR IMPROBIDADE

Do PIMENTA BLOG

A Justiça determinou à Prefeitura de Itabuna a suspensão de contratações e posse d0s aprovados no processo seletivo das secretarias da Assistência Social e da Saúde. A liminar é do juiz plantonista da 1ª Vara da Fazenda Pública em Itabuna, André Luiz Santos Britto, em resposta a pedido do Ministério Público da Bahia (MP). O magistrado também fixou multa diária  de R$ 10 mil em caso de descumprimento.

Já no pedido de antecipação de tutela, os promotores identificaram diversas irregularidades no processo seletivo, a partir de denúncia de candidatos. A principal das irregularidades se deve à inclusão, entre os aprovados, de nomes que não apareciam na lista dos que passaram na primeira fase do concurso.

O juiz André Luiz Santos Britto relatou que “o estudo preliminar dos autos revela haver fortes indícios de violações insanáveis” no certame, a exemplo da divulgação da lista de habilitados para a segunda etapa da Seleção Pública 002/2013 “sem qualquer tipo de nota ou classificação” e da “ausência de procedimentos mínimos de segurança para identificação dos candidatos na segunda fase do processo seletivo”.

O magistrado ainda anota que “durante a realização da entrevista os candidatos não tiveram acesso às anotações feitas pelo entrevistador, não assinado qualquer documento atestando a veracidade daquelas informações”.

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Os promotores Inocêncio de Carvalho, Thaiana Rusciolelli e Renata Caladas Lazzarini também denunciaram o prefeito Claudevane Leite, a secretária de Administração, Mariana Alcântara, e a coordenadora do processo seletivo, Monaliza Matos, por atos de improbidade administrativa na realização da seleção pública.

Maioridade penal – ou sua vida não vale uma bala

Walmir Rosário

Mais uma vez o Brasil assiste, passivamente, um verdadeiro “jogo de empurra” entre a sociedade e as autoridades. Desta vez, é o projeto de lei da maioridade penal, que prevê punições mais rígidas para menores de 18 anos. Apresentada pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, trava os primeiros embates, mesmo antes de chegar ao Congresso Nacional.

Ao que tudo indica, a simples ideia de apresentar a proposta provocou a velha e idiota rivalidade entre os dirigentes e militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Mesmo antes de ser analisado, membros do Governo Federal, a começar pela presidenta da República, Dilma Rousseff, se posicionam contrariamente ao projeto.

Para não fugir à regra, os ministros e assessores também apoiam a presidenta, se manifestando pela execração pública da proposta. Para nossas autoridades, menor é menor e assim deve ser tratado como tal, não importa que utilizem, de forma useira e vezeira, dessa prerrogativa para praticar crimes que continuarão no rol dos esquecidos, ou melhor, dos injustiçados.

Injustiçados, sim, pois a exceção se transformou em regra e os menores são cada vez mais utilizados pelos maiores na consumação de crimes torpes, violentos. Sim, porque quando a “casa cai”, como se diz no jargão policialesco, são esses menores quem assumem a culpa pelas mortes, mesmo que não tenham sido praticadas por eles.

Pouco importa quem morreu e qual a causa. De acordo a tipificação penal, são liberados após serem os pais chamados à delegacia e assinarem um termo de responsabilidade para apresentarem seus filhinhos à Justiça, quando intimados. Outros, a depender da gravidade do crime, vão para estabelecimentos socioeducativos, ditos apropriados e aceitos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

A sociedade muda, contudo as leis, para nossas autoridades, não precisam acompanhar essa evolução. Deve dar muito trabalho encaminhar propostas de mudanças para o Congresso Nacional, convencer os parlamentares dessa premente necessidade. E têm razão: esses projetos levam anos para serem elaborados por técnicos e logo desfigurados no Congresso Nacional.

Além dos compromissos dos congressistas, uma legião de instituições dita defensoras dos direitos humanos desfila diuturnamente fazendo lobby na Câmara e Senado. Cada qual com os seus interesses, ressalvados nos contratos que mantém com os entes públicos. São as chamadas organizações não-governamentais, sustentadas com o dinheiro do tesouro público.

Enquanto a guerra é travada nos bastidores, nossos menores de 18 anos chefiam quadrilhas, roubam, matam inocentes a troco de um aparelho telefônico celular, um par de tênis, um relógio comprado numa das bancas de camelôs do centro da cidade. Desmoralizam instituições como a polícia, dirigindo escárnios e ameaças aos policiais.

Os menores marginais têm o direito de escolher o presidente da República, senadores, deputados federais e estaduais, governadores, prefeitos e vereadores. Não posso afirmar, mas ao que parece, essa defesa de responsabilizá-los pode decorrer de um acordo feito em troca do voto. Cada qual no seu cada qual. Uns agem em Brasília, outros no restante do Brasil.

Sem cobranças, cada uma dessas turmas vai agindo como pode. No meio, a polícia prendendo, a justiça soltando. Na maioria das vezes a liberdade concedida pela justiça é incompreendida, pois nossos magistrados têm de fazer cumprir as leis. Temos um ministério público vigilante, como deve ser num pais onde prevalece um regime democrático de direito.

Volto a alertar: cada qual com o seu mister: a comunidade clama, mas o governo e os parlamentares não mudam a legislação, a justiça tem a obrigação de cumpri-la e os promotores públicos o de fiscalizar o cumprimento dela. Nesse diapasão, as famílias vão perdendo os filhos em crimes fúteis – na maioria das vezes – e cada vez mais frequente. Sua vida vale apenas uma bala.

Enquanto os debates ganham os meios de comunicação – inclusive as redes sociais – os marginais continuam roubando e matando. E no mercado do crime o menor de idade alcança um valor cada vez mais astronômico, com a finalidade de acobertar os maiores. Praticam os crimes, são presos e soltos imediatamente, voltando às ruas para nova jornada de trabalho.

Dizem os defensores – geralmente com boa lábia – que temos códigos penal e de processo penal modernos e garantidores da liberdade e justiça dos menores adolescentes, inclusive os infratores. Para fazer valer esses direitos temos as casas de atendimento, onde ficam internados quando as leis são transgredidas, tudo na conformidade da lei de execuções penais.

Sou de opinião que os infratores, principalmente os menores, não sejam internados (ou presos) juntos aos considerados “escolados”, do contrário essa chamada ressocialização nunca irá acontecer. Seria e é o inverso, pois os estabelecimentos prisionais são verdadeiras universidades do crime, com pós-graduação em níveis de especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado.

Se o menor pratica descuidos, roubo, assalto e até latrocínio, lá, na universidade do crime, vai ter tempo suficiente para conhecer – se é que ainda não foi apresentado – ao mundo das drogas, usando e traficando. E faz isso livremente sob a custódia do Estado. Quando ganhar as ruas terá que colocar em prática todos os ensinamentos. É a lei do mais forte.

Bem, falei muito mais do que deveria, não propus absolutamente nada para transformar a sociedade e, ao menos, tomei qualquer partido pró ou contra a diminuição da maioridade penal: apenas ouvindo a voz das ruas. E se perceberam, até como advogado, sequer mencionei leis, por acreditar que a realidade está muito além delas. Por isso acredito que é hora da sociedade acordar.

Abrir os olhos para o que dizem nossos governantes, como eles se posicionam. Ora, se nossa presidenta diz que é contra a diminuição da maioridade penal, o nosso ministro da justiça, que tem o dever de propor soluções a acompanha, que voz seria a minha para alguma proposição. Propostas não faltam e sim vontade de analisá-las e acatá-las.

Só rogo que pelo menos expliquem à sociedade, principalmente aos que sofrem com a perda de seus filhos, quais as suas posições: a favor ou contra a sociedade?

Jornalista, advogado e editor do www.ciadanoticia.com.br

Líderes não fogem à luta

Walmir Rosário

Muito se tem discutido sobre a cobrança, via judicial, do imposto sindical pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e Federação da Agricultura do Estado da Bahia (Faeb), inclusive na lista cacau. Entretanto, ninguém atentou para a questão política que o caso requer, e somente para o dever do agricultor pagá-la.

A legislação é clara e manda os sindicatos cobrar dos agricultores e, através da Caixa Econômica Federal, o pagamento é repassado mensalmente para os entes de direito, no caso em questão, 5% para a CNA, 15% para a Faeb, 60% para o sindicato respectivo, e 20% para a Conta Especial Emprego e Salário, do Ministério do Trabalho.

Acredito que a questão essencial é saber quem tem o direito de ir à Justiça para buscar o pagamento judicial, e esse direito pertence somente aos sindicatos. Apesar desse garantido por lei, não foram os sindicatos rurais que pediram a proteção do Poder Judiciário para satisfazer suas pretensões, e sim a CNA e a Faeb.

Como já se tornou praxe, os presidentes de sindicatos rurais de diversas cidades baianas preferiram se omitir, como costumeiramente fazem, e outorgaram procuração para que a CNA e a Faeb pudessem resolver seus problemas. E os dois órgãos, mais afastados das bases sindicais, o fazem sem a menor cerimônia.

Tal como Pilatos, as “lideranças” sindicais lavaram as mãos e se omitiram do mister conferido por lei. Derraparam feio os presidentes de sindicatos rurais que resolveram abrir mão de suas prerrogativas, voltando ao comodismo de sempre. Nada fazem nem querem fazer e ainda por cima ficam com raiva de quem faz.

No mundo globalizado, onde as decisões tomadas no hemisfério norte trazem reflexo imediato para os mais distantes grotões, e no sul da Bahia não é diferente, com os preços do cacau refletindo diretamente sobre as oscilações das bolsas de Nova Iorque e Londres, além de outros fatores. E aí é onde entra a representação classista dos produtores, hoje combalida e carente de líderes dinâmicos.

Dinamismo, sim, é o que precisa a região, onde a maioria dos sindicatos rurais funcionam aos trancos e barrancos, sem eleições abertas, sem participação dos filiados, que na verdade não se sabe (menos o presidente, é claro) quantos são. É esta a triste realidade do quadro sindical econômico, com raríssimas exceções, às vezes consideradas destoantes.

Lideranças de verdade são forjadas na lida diária entre a classe, discutindo idéias, debatendo os problemas, mobilizando os colegas, e não às portas fechadas, na calada da noite, realizando eleições na base do lápis e borracha. Verdadeiros líderes não abrem mão de suas prerrogativas, não se escondem, não fogem à luta, e nem por desídia delegam os afazeres a outras instâncias.

Líderes de verdade não usam dois discursos, soltando-os de acordo à situação conveniente. Quem repudia a cobrança de taxas, não tem o direito de taxar, ou exigir o cumprimento delas, sobretudo se tais cobranças tragam alguns pressupostos, como a oneração dos produtores, sob qualquer hipótese, como foi lavrado em documento entregue ao Governo Federal pela Faeb e CNA.

Líderes de verdade lutariam pela publicação da Nota Técnica a ser elaborada pela Ceplac, conforme compromisso assumido pelo seu diretor, e até agora não cumprido. Líder de verdade teria capacidade de mobilizar os companheiros, mostrando a necessidade de manter uma estrutura sindical forte e importância dos recursos financeiros para tanto. Um estágio dessas lideranças num sindicato de trabalhadores faria bem a toda a cadeia produtiva.

Jornalista, advogado e editor do www.ciadanoticia.com.br

Publicado no Jornal Agora em 11-06-2004

 

Crea-BA realiza eleições

O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea-BA) realiza eleição nesta terça-feira (8). Candidata à presidência da entidade, a engenheira Rute Carvalhal, visitou Teixeira de Freitas e Porto Seguro, no extremo sul da Bahia, esta semana, e reafirmou sua proposta de integrar de forma inovadora os profissionais do interior e da capital.

Existe a possibilidade de a eleição da entidade parar na Justiça. Isso porque Rute pediu a inelegibilidade do candidato Marco Antônio Amigo. A justificativa para a ação é o fato de ele ter sido eleito representante do Crea em 2009, mas não tomou posse em uma suposta renúncia tácita à função, o que o impediria de se candidatar.

Na Bahia, mais de 40 mil profissionais têm direito ao voto, desde que estejam em dia com a anuidade do Crea. A eleição está mantida para a próxima terça, dia 8 de novembro, engenheiros, agrônomos, meteorologistas, geógrafos, geólogos, técnicos e tecnólogos do Sistema Confea/Crea irão às urnas votar nos candidatos a presidentes do Conselho Federal e de seu Regional, para exercício 2012-2014.

Bandidos desafiam autoridades em Itabuna

Na noite desta quarta-feira (6) os bandidos deram mais uma demonstração de que querem tomar conta de Itabuna (mais ainda). Desta vez tentaram assaltar e até eliminar o delegado Humberto Mattos, quando chegava à sua residência, no bairro São Judas.

Entretanto, os bandidos não contavam com a determinação do delegado Humberto Mattos em reagir à ação dos marginais. Graças ao treinamento recebido como policial, pode utilizar os ensinamentos aprendidos durante o curso da Swat.

Após trocar tiros com os bandidos, afugentando-os, o delegado solicitou o apoio da Polícia e agora cabe à equipe do delegado Moisés Damasceno identificar e prender os marginais e entregá-los à Justiça para mantê-los longe da sociedade por algum tempo.

Itabuna precisa reagir contra as ações cada vez mais ousadas dos marginais, que pretendem manter a sociedade refém dos assaltos, do tráfico de droga e dos constantes assassinatos de pessoas inocentes.

Taxa do cheque especial aumenta em agosto
 
A taxa média do cheque especial nos bancos em agosto foi de 13,52% ao mês (a.m.), alta de 0,06 ponto percentual em relação ao mês anterior, segundo pesquisa do Procon de São Paulo. A maior alta foi encontrada no Banco do Brasil
 
LEIA MAIS
 
Artista canavieirense se inspira nas belezas naturais de sua terra
Aos 35 anos, quatro dos quais dedicados à arte, Thiago tem despertado a atenção de turistas e nativos pela simplicidade de seus trabalho, com traços e entalhes precisos, retratando animais do bioma Mata Atlântica.
 
LEIA MAIS
Alto Beco do Fuxico festeja seus 30 anos
 
Saudosismo, amizade, cachaça da boa, cerveja bem gelada, mocofato preparado por Danilo, música de todos os gêneros e para atender todos os gostos. Esse foi o combustível que moveu membros da Confraria do Alto Beco do Fuxico, os acadêmicos da Academia de Letras, Artes, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utopia e Etc. (Alambique), além de outros frequentadores do Alto Beco do Fuxico.
 
LEIA MAIS