CIA DA NOTÍCIA

Posts Tagged ‘Waldyr Pires’

Acreditar não é fácil!

Walmir Rosário*

Costumo comparar os políticos petistas aos motoqueiros. Acreditam que podem fazer de tudo como se fossem os “donos do mundo”. No caso dos motoqueiros, todo o carro que lhe aparece à frente é considerado um perigo iminente, mesmo que não lhe constitua ameaça. A rua é toda minha. No caso dos petistas não é diferente e a cada risco eleitoral que se avizinha, pousam de vítima e protestam como um bebê desmamado.

Esse é o jogo da comunicação política estudada com afinco e posta em prática pelo Partido dos Trabalhadores (PT), especializado a criar factoides, mesmo os de somenos importância, provocando grande repercussão política. Estereótipos à parte, agora o PT traz de volta a propaganda para incutir no eleitor o medo de volta ao passado. Por passado entendam o PSDB.

Essa prática não é nova! Faz parte da política do quanto pior melhor e é capaz de produzir os resultados desejados, suscitando o medo no eleitorado. Constantemente, a velha e boa central de boatos entra em ação com estórias de que se candidato fulano ou beltrano ganhar a eleição acabará o Bolsa Família, maior programa de renda do Brasil.

Embora todos saibam que isso não é verdade, uma ação desse tipo causa uma comoção sem precedentes, com resultados comparados a uma guerra civil. Essas “afirmações” repetidas com exaustão se transformam em “verdade absoluta”, haja vista a boataria que provocou uma corrida às casas lotéricas e aos terminais da Caixa Econômica Federal.

O PT é o partido que sempre soube utilizar a chamada “rádio peão”, com a finalidade de espalhar notícias utilizando meios de comunicação populares não tradicionais, com mensagens subjetivas e dissimuladas. Meios esses, diga-se de passagem, bastante utilizados nos confrontos ideológicos.

Outro fato marcante é o da estrepitosa vaia tomada pela presidenta Dilma Rousseff durante a abertura da Copa do Mundo. Um protesto que considero de muito mau gosto e desrespeitoso, intimidação própria de quem não tem nenhum princípio ou respeito.

Mas se hoje os petistas são “vidraças” já foram “estilingues” e que o digam os amigos de hoje José Sarney, Collor de Mello, Maluf, e até Waldyr Pires quando ainda era do PMDB, sem falar no ainda adversário FHC. Esse exemplo entra aqui somente para mostrar que fatos e atos como esse têm precedentes vergonhosos.

E cada vez mais as redes sociais são utilizadas pelos militantes para disseminar factoides, assacar contra opositores. E o fazem com a competência de quem foi à guerra para vencer, não importando os meios. Eles são perfeitamente justificados pelos fins.

Os partidos de oposição esperneiam mas ainda não aprenderam a se comunicar com o eleitorado através dos veículos nada convencionais. Não aprenderam que o rádio, o jornal e a televisão são pautados pelas redes sociais.

É a internet que informa, em primeira mão, embora nem sempre com responsabilidade, mas de forma eficaz. A ética, tão requerida contra os ataques adversários, agora se transforma em artigo de luxo, que não entra na cesta básica das ferramentas de comunicação.

E nesta luta desigual da contrainformação ou informação irresponsável, perde o eleitorado brasileiro, que cada vez menos crê nos políticos tradicionais. Enfim, nem sempre a melhor maneira de comunicar é a forma mais indicada para os partidos.

*No meio do tiroteio da informação

A quem interessar possa…

Segundo engenheiros, a praça Adami comporta, apinhada de gente, mais ou menos 14 mil pessoas, como no comício de Waldyr Pires ao Governo do Estado, considerado o maior público daquela praça. Para acomodar mais gente, o palanque era armado em frente às Casa Pernambucanas.

Portanto, público de 30 mil pessoas naquele local, só se for em prateleiras, o que não foi possível, segundo mostram as fotos. A festa após a Lavagem do Beco do Fuxico foi boa, com uma grande banda, mas não vamos exagerar.

Jornalistas não olham para o “rabo” e fazem jogo de pseudos-esquerdistas

Walmir Rosário

A bola da vez no segundo turno da campanha política para eleger o prefeito de Salvador é Caetano Veloso, ao afirmar que votaria em ACM Neto. E ele foi eleito pela mídia, ou melhor, pelos jornalistas e marqueteiros, que tentam, a todo o custo, reinventar a campanha do “bem contra o mal”, editada no passado para eleger Tancredo Neves, Waldyr Pires, dentre outros políticos responsáveis pela derrocada da esquerda brasileira.

Aliás, no mundo inteiro “esquerda” vem se tornando apenas uma simples noção de localização, a exemplo de vire à esquerda, como no trânsito, tal jogador chuta melhor com a esquerda e não mais os simpatizantes de um regime socialista ou comunista. Muito menos as formas de organização econômico-políticas contrárias ao capitalismo sob o argumento de acabar com as desigualdades sociais.

Se em todo o mundo a derrubada do muro Berlim provocou uma mudança profunda nas formas de administrar o Estado, a exemplo da Rússia, Cuba, dentre outros, o que não dizer do que acontece na China, com reflexos em outras economias. E no Brasil não foi diferente, pois nosso governo (e os governantes Lula e Dilma) que ainda teima ser chamado de esquerda assina um documento afirmando ser a China uma economia de mercado.

Então, para onde foi a ideologia dos nossos próceres da Revolução Francesa, Revolução Bolchevique e até mesmo os que tentaram no Brasil lutar contra a ditadura de Vargas e dos militares do golpe de 64?

Simples, no nosso Brasil varonil continuam como sempre, se amoldando às mais diferentes situações. Uns, pelo fim do deslumbramento ao conferir, in loco, a chegada desses líderes ao poder; outros, pela simples observação do desempenho quando tomaram o poder, pelo voto, é claro. Uma grande decepção.

Pior, ainda, do que isso, no Brasil o fim da ideologia foi decretado com todos os “efes” e “erres” pelo governo do presidente Lula ao executar o projeto de Zé Dirceu para instalar o PT por 20 anos nos quartos e corredores do Palácio da Alvorada. E o resultado está aí sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), apesar dos petistas jurarem, “de pés-juntos” que nada têm a ver com isso. “É coisa da direita”, tentam enganar aos incautos.

Quanto aos jornalistas, o mal cometido contra a pessoa humana é ainda maior do que o velho patrulhamento praticado pelas velhas (claro) esquerdas contra aqueles que tentassem sair do seu jugo e jogo político. Somente a título de lembrança, nosso conterrâneo Jorge Amado sofreu muito mais do que o não menos que o patrício de Santo Amaro da Purificação, Caetano Veloso.

A tentativa de inquisição chega ao extremo de julgar e condenar não só o “cacique” Antônio Carlos Magalhães, mas lançar à fogueira da maldição toda a sua família, incluído aí filhos, netos e bisnetos. Será que é humano quem pratica a desumanidade? A história nos mostra que era própria das populações bárbaras, a prática do “olho por olho”, o “dente por dente”, desconhecendo a indulgência e a piedade.

Na legislação moderna, adotada pela quase unanimidade dos países, os códigos penais abominaram esses tipos de pena que eram transmitidas a gerações inteiras e hoje não passam do próprio acusado. Mesmo assim, é preciso que haja um julgamento pelo órgão do Estado incumbido deste mister, observando, ainda, o consagrado princípio do in dubio pro reu (na dúvida, beneficie-se o réu).

E quanto aos jornalistas, publicitários e marqueteiros, esses merecem uma reflexão por demais profunda. Em cada campanha pululam – pelo consagrado direito do trabalho, é claro – de candidato a candidato. Esquerda ou direita pouco importa, pois acreditam que estão vendendo um simples sabonete, pasta de dentes ou uma nova tintura para o cabelo.

Assegurado o seu sagrado direito de trabalhar, pouco importa se ao ganhar a eleição aquele candidato que ele fez o bonito invólucro para vender como “o melhor do mundo” à população cometa as tiranias que dele se esperava. Caetano Veloso, ao contrário, não agiu à sorrelfa, de forma dissimulada e escolheu quem ele, como cidadão, considera o candidato ideal para governar a cidade do Salvador. Nada mais honesto.

Quanto ao pobre desse escrevinhador borra-papéis, tive a honra de trabalhar em campanhas políticas e no jornal Correio da Bahia, de Antônio Carlos Magalhães, o temido ACM. Posso assegurar: não havia emprego mais democrático e todos eram tratados com respeito, inclusive as dezenas de conhecidos jornalistas e publicitários de origem nos antigos partidos de esquerda.

Aprendam com Caetano Veloso, que ainda tem muito o que ensinar.

Jornalista, advogado e editor do site www.ciadanoticia.com.br

Taxa do cheque especial aumenta em agosto
 
A taxa média do cheque especial nos bancos em agosto foi de 13,52% ao mês (a.m.), alta de 0,06 ponto percentual em relação ao mês anterior, segundo pesquisa do Procon de São Paulo. A maior alta foi encontrada no Banco do Brasil
 
LEIA MAIS
 
Artista canavieirense se inspira nas belezas naturais de sua terra
Aos 35 anos, quatro dos quais dedicados à arte, Thiago tem despertado a atenção de turistas e nativos pela simplicidade de seus trabalho, com traços e entalhes precisos, retratando animais do bioma Mata Atlântica.
 
LEIA MAIS
Alto Beco do Fuxico festeja seus 30 anos
 
Saudosismo, amizade, cachaça da boa, cerveja bem gelada, mocofato preparado por Danilo, música de todos os gêneros e para atender todos os gostos. Esse foi o combustível que moveu membros da Confraria do Alto Beco do Fuxico, os acadêmicos da Academia de Letras, Artes, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utopia e Etc. (Alambique), além de outros frequentadores do Alto Beco do Fuxico.
 
LEIA MAIS